Da era do TER para a era do USAR

No turbilhão dos dias de hoje, o bem mais valioso é o tempo e cada vez mais as pessoas buscam aproveitá-lo da melhor forma possível

Com o passar dos anos, a mudança de gerações com maior influência na economia tem provocado marcas a reavaliarem seus negócios e produtos, a partir da óptica e do comportamento destes consumidores. Isto não é um processo nada fácil, ainda mais quando esta nova geração aponta que a posse de bens cada vez mais perde valor, para ser ocupada pela utilização temporária deles.

Quem não lembra quando o sonho dos jovens era chegar aos 18 anos para ter sua habilitação e o próprio carro? Ou então aquele sonho do apartamento ou da casa própria? A geração Y, que atualmente preenche um grande share no mercado de consumo, é a que mais está preocupada em viver experiências ao invés destes antigos sonhos. Este comportamento está dando a esta geração o nome de economizadores.

Os valores desta geração em relação aos seus pais mudaram. Eles acreditam que na vida o sucesso não é possuir algo e sim conquistá-lo. Mais vale abrir uma empresa nova, buscar uma nova aventura profissional, realizar viagens ao redor do mundo ou até mesmo praticar esportes radicais do que ralar duro, num mesmo lugar, para garantir a renda que cobrirá aquelas prestações fixas mensais.

Há alguns anos atrás li um livro e super indico que você leia - “O que é meu é seu: Como o consumo colaborativo vai mudar o mundo.” Na época de sua publicação, em 2009, o brasileiro que lesse acharia que tudo aquilo era um sonho, um devaneio que só poderia acontecer na Europa, que nunca chegaria aqui. De devaneio não existia nada! Esta realidade foi entrando de mansinho em nossas vidas e está cada vez mais em expansão, nos mais diferentes setores.

Rapidamente poderia citar exemplos que são super familiarizados para você: Uber, Yellow e Airbnb. Hoje estão tão consolidados que parecem que existem nas nossas vidas há décadas, né?!? Mas existem vários outros serviços que hoje trabalham em nichos, expandindo este conceito para segmentos novos:

  • Tem Açúcar: um aplicativo de empréstimo de utensílios entre vizinhos. Precisa de uma furadeira, barraca ou outro item similar? É só pesquisar e ver quem mais próximo tem o item, combinar as condições e pronto, usar.
  • Bobags: Já imaginou locar bolsas Gucci, Chanel ou Prada para aquele evento especial ou até uma saída com aquele crush? Aqui você consegue.
  • Armário Compartilhado: Com o sonho de se tornar a maior rede de compartilhamento e aluguel de vestidos do Brasil, quer dar vida àqueles vestidos parados dentro do armário das mulheres.

Claro que tudo isto só é possível de existir graças a nossa conectividade, aos novos estilos de vida, as facilidades de pagamento e a gestão de reputação nestes ambientes. No turbilhão dos dias de hoje, o bem mais valioso é o tempo e cada vez mais as pessoas buscam aproveitá-lo da melhor forma possível.

Imagine você, mulher, indo para aquela noite especial na comodidade de um Uber Black, com aquela roupa e bolsa incríveis de marcas conceituadas, sem estar preocupada com o tamanho da fatura do seu cartão nos próximos meses? Ficou fácil de entender agora a busca pela experiência ao invés da posse?

Agora te pergunto: Que negócio você pode montar para entrar neste embalo? O seu atual negócio pode se beneficiar deste movimento? Pense nisso, pois o futuro do seu negócio pode estar em jogo!

Este artigo foi escrito por:

Maicon Dias
Customer Experience | Marketing | Branding | Inovação Fundador e Sócio da Gampi Casa Criativa e da UNA Seguros


Marcadores